Monday, March 01, 2010

Quanto pesa a tua ausência (Abstinência)

Tirem esse peso do meu peito
Esse pêndulo do meu leito
Esse sostenido irregular

Em meu ouvido retumbante
O zumbido fez morada
Procurando a tua voz

A minha relutante lágrima
Exerce um peso infinito
Contra a pálpebra inferior

Mas se fecho os olhos 'inda te sinto
Se estendo a mão eu mato
Minha sede em teu suor

* by biadebarros

3 comments:

Aline Dias said...

isso é que é não dar o braço à torcer

Shelhass said...

Sabe o que isso me parece?
Aqueles fantasmas que a gente tenta afastar, mas são tão nossos, que eles nunca vão de verdade.

Beijos

bia de barros said...

mas é isso aí.
muito disso.
e um pouco de fantasia.

(ou muito de imaginação fantasiosa e um pouco de fantasias com um fantasma)

;)