Thursday, March 20, 2008

Ave de Metal

Então o Pássaro Branco
Camufla-se nas nuvens
A perder-se da vista
dos homens.

Sob o amparo de estrelas
Sobre os favos dos raios
Solares, lunares, a ave
Flutua.

Atravessa o castelo de Hélio
Sem hesitar nos portões
de mármore

Que lhe abrem passagem
No silêncio dos ares
Cortado pelo silício
.

7 comments:

ki-colado said...

É bem interessante sua composição.

O pássaro branco pode ser um pombo branco simbolizado a tão sonhada e querida paz, que o mundo esqueceu.

Viver em paz é um encontro. Quando Herodes decidiu que mataria todos os primogênitos alguns defensores da paz, como José e Maria, foram buscar livramento da opressão.

A vida não constitui-se apenas em viver, e sim em acordar para ela.

Um dia vou morrer, e tenho que me exilar, embriagando-me com tudo o que há de melhor no meu coração.

"São segredos sagrados
trancados à sete chaves
que não cabe em palavras".

Enquanto muitos filosofam sobre a felicidade, eu estou me arrastando atrás dela, comendo todo o pó que muitos não querem... porque???

Andre Luiz said...

Atravessa o castelo de Hélio
Sem hesitar nos portões

bravo! bravo!

Andre Luiz said...

Na verdade, bravo! bravo! pro poema todo. Obra prima!

Flora said...

que comparação mais delicada
nunca vi outra igual
ficou no meu coração agora uma felicidade estranha
de algum tempo já sem ler suas poesias
voltei a ser completamente feliz

darsh. said...

Você é linda em cada letra que digita.

Amo.

Aline Dias said...

coisa bonita e confusa, bia.

Si said...

Lindo, lindo, moça.