Monday, September 01, 2008

Dez centavos

A arte de viver da fé
Dia após dia na lida
A gente segue a vida
Com guaraná e café

Lá do alto do andaime
Nunca se olha pro chão
Dá tonteira e vertigem
A gente finge que não vê

A gente que passa debaixo
da ponte, da passarela
E fica em cima daquela

Mais pra lá do que pra cá
Aquela gente que é artista
O resto é só caviar.

11 comments:

Flá. said...

é..um dia aprendo a escrever poesia tb :P

Rafael Abreu: said...

Gostei bastante da poesia. Principalmente do ritmo, ficou muito natural!

darsh. said...

obrigada por salvar meu domingo monótono :)

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern said...

lindo
*-*

beijos e borboleteios

andre said...

a gente faz fila na vila do meio dia.

Thiara Pagani said...

Alma, muita alma!
Tava precisando ler algo assim.
Lindo!

Imaginação Insana said...

Não a conheço
mas meus parabens pela suas poesias
tem gente q escrever

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern said...

A arte de viver da fé é aprendida todos os dias...
Senão, não se viveria!

Beijos e borboleteios...

Pekena garota said...

adorei suas poesias...as palavras dançam nas linhas com um jeitinho especial. Bjinhus

Fernando Souza said...

menininha da luz, que maravilha! de certa forma, lembrei Drummond pela anti-poesia, sem rimas muitas rimas... você já é uma das minhas poetisas que irei visitar com frequencia, ouviu? acho que é a primeira vez que venho aqui e fiquei feliz por você ter encontrado meu blog e ter comentado no texto da Renata Maria.

abs,
fernando
http://neo-bio-blog.blogspot.com/

Fernando Souza said...

olha só, que primor seu comentário em meu post ''Oxalá, qual o poder das palavras''! valeu! então voce gosta do Machado? o Assis! não postou novo poema...

luz e inspiração,
fernando
http://neo-bio-blog.blogspot.com/