Thursday, July 31, 2008

A Espera

Vendo você assim tão triste
Filha, até me comoveu...
Quiçá você queira escutar
um conselho meu: olha,

Se o melhor que podes agora
Fazer é deixar que o relógio
Marque o compasso das horas
Faze-o, pois, em grande estilo:

Espera, certo modo, agindo
Cuida bem do teu jardim
Que a espera passa assim

Feito chuva de verão...

E quando ele chegar, enfim
Terás jasmins a lhe ofertar.

10 comments:

Rafael Abreu: said...

Ai, esse poema é tão doce. E fez do "trabalho" de uma esperança uma coisa tão pequena e tão gostosa!

Diana Pádua said...

Lindíssimo! :)
bjs, moça... tb estarei sempre por aqui!

L.S. Reis said...

Que coisa mais linda!...
Tão meigo o poema ^^ Amei
beijos, moça-menina!

Flá. said...

olha, falou a mim diretamente esse texto.
Gostei. :)

bjo bia!

darsh. said...

ahhhhhhhh
pessoas apaixonadas ^^

T said...

Agora que eu reparei no título principal do seu blogger, e caramba, é muito bom.

E esse seu texto é tão doce Bia.
Me diz como você transmite tanta paz assim pra mim? O que você faz?

;*

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern said...

Delicadeza encantante a sua!
Leve...
Lindo!

Beijos...

andre said...

E tu cuidas do teu jardim
Como cuida a madeira o Gepeto.
Como cuida do tato o cetim
Como fazes dos versos soneto.


(faço tudo por uma rima. =D )

Beatriz said...

Amiga, que doçura de poema! Fiquei imaginando tu, sentada ao lado da tua filha, segurando as suas mãos, e falando com ela numa voz mansa, deixando cada palavra penetrar no seu coração de forma a aquietá-lo na meiguice do teu. Um lindo momento, meu anjo, que soubeste tão bem transformar num terno poema.

Flores, estrelas, sorrisos e beijos, no teu caminhar.

Flora said...

Sublime mesmo. Faz da esperança algo positivo como se nunca existisse a dor da espera.