Tuesday, March 24, 2009

Sopro de Fole


Nada em mim possuo
Que eu possa esconder
Tão fundo em meus olhos
Que os teus não possam ver

Nem neblina tão espessa
Para encobrir a luz
Que emana das lembranças
Ainda próximas a mim

Nunca há distância
Ou tempo o bastante
Para soprar toda a chama

Sem reacender o que
Já não cabe dentro em mim,
Não morre se vou viver
...

8 comments:

Beatriz said...

A transparência que habita em nós e que queremos doar ao ser amado muitas vezes não é compreendida. Queremos ser tudo e queremos que nos sejam tudo, pois só dessa forma nos doamos por inteiro, e só assim vale a pena amar.

O teu poetar me encanta, meu anjo!

Fica um beijo, um sorriso, e meu carinho no teu coração.

Lari Bernardi said...

*-*

demaisss...

;*

Pipilo Cazuzete said...

Quanta sensibilidade e nobreza encontro em suas palavras querida, muito feliz em ver, ler e me emocionar com as belezas que você escreve. Um beijo e sucesso para você.

Yaas said...

lindo o post menine, amei. sem palavras.
Yeah, I hope that too.
beeijos :*

•.¸¸.ஐBruneLLa França said...

Um poema lúdico que transmite um sentimento bom em quem lê!
Amei!

Beijos e borboleteios

darsh. said...

ai garota
que te dou um abraço apertado
que te esmago toda.

andre said...

Respirar acende brasas.

(comentário inútil e incoerente: Essa primeira galáxia é chamada de Olho de Deus.)
=]

T said...

muito bom!